sexta-feira, 15 de maio de 2009

Entre Vênus e Netuno


Ela era de libra, era balança universal, clamava por beleza, exaltava brevidades, conflitos, mortes, ressurreições.

Envolta de libidinosas e complexas obviedades, ela te diria, cordial e mansa: ‘Cuidado, meu bem, minha trama é indecifrável e a mim mesma confunde. Cautela, querido, ao pisar na minha estrada, ela é a teia da viúva negra que te alimenta, afaga e devora.’Olhares frios e fáceis já não a encurralavam.

Detestava reticências, continuidades furtivas, distanciamentos. Raivosas tempestades a ela pareciam sopros mornos e tediosos de um rei solitário em seu leito de morte.

Era iluminada por Santa Bárbara, era guiada pela senhora dos ventos e trovões, e nada impediria seu violento rio de lágrimas salubres de desaguar no mar da vitória.

Poucos, raros eram os capazes de não querê-la perto de si. Ela, que já estava amaciada pelas reincidentes quedas e fortalecida pela crença em si própria, não desejava ser problema nem solução. Almejava ser ela mesma, provocação mutante, grandiosa.

Compreendê-la era desafio constante e muitos, quiçá quase todos, eram incapazes de sentir, de enveredar por caminhos além-razão, ultrapassar sofismas inúteis e respeitar o fato do céu a que ela venerava não ser igual ao dos demais.

Tantos foram os tolos que apenas a julgaram e sentenciaram-na incontáveis vezes ao fogo perpétuo da intriga soez e da inveja voraz.

Ela nunca foi vítima, desistiu de ser algoz. Ela apenas caminhava.

Acostumou-se a sobreviver sem suas antigas munições e apetrechos decrépitos. Não necessitava mais de indulgência, abandonara a aldeia da insegurança e construíra um império internamente forte, sendo desnecessárias muralhas ou agressões. Sua honra era não mais viver na defensiva. Ofender perdeu o sentido, atacar resignificou-se. Ela apenas caminhava.

Quantos saberiam como sobreviveu aos longos e consecutivos segundos acumulados a que ela chamava de vida? Quantos jamais compreenderiam como seus pés exaustos suportaram sangrando as longas cruzadas profanas em que se envolveu?

Como absorver a essência de alguém que, como ela, cambaleou na corda trêmula entre razões vazias, pré-julgamentos e emoções avassaladoras, sem se embriagar?

Carregava seus muitos balangandãs e explicitava seu gosto pela grandeza. Não a grandeza de objetos apenas, nem tão somente gestos ou palavras ditas solenemente, mas o excesso de alma. Era amante do exagero sensível. Queria o muito, mas acima dele estava a verdade, a sua verdade extrema, quente, sentimental.

Em seu passado ficaram os pudores, a renúncia, a culpa. Seu presente era imponente, era ardência sem proporção, era universo sem fim... Não adiantava tentar apreendê-lo, estigmatizá-lo. Sua estória era atemporal, reciclável, tórrida, ilimitada.

7 comentários:

  1. Nossa!
    Quanta intensidade!
    Adoro sentir isso em textos e o seu é uma prova disso!

    Adorei mesmo e sempre que puder, passarei por aqui!

    Aliás, obrigada pela visita em meu blog!
    Será sempre bem-vinda!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. parabens pelo texto, intenso, bem escrito, inteligente.
    Gostei daqui.
    Maurizio

    ResponderExcluir
  3. Nossa, quanta intensidade!
    Da até uma invejinha, vontade de ser assim! rs

    Parabéns =)

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Concordo com as meninas ai de cima.Muito intenso.
    So agora percebo que viver somente não basta, temos que levar a vida em sintonia com o que gostamos e queremos. Quero ser intenso como você.
    As vezes se deixar quiar, não é o mais correto dos caminhos.
    Seu texto é muito gostoso de ler
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Vim agradecer a visita ao meu blog, adorei o seu comentário e o seu blog, ah e fiquei ainda mais feliz em saber que você tmb é historiadora, eu só leciono história por enquanto. Voltarei sempre que puder.

    ResponderExcluir
  6. sophia,
    gosto muito das suas palavras! aqui e no meu blog...
    seus comentários me deixam muito lisonjeada!!!
    bjos!!!

    ResponderExcluir